jQuery(document).ready(function($){$('#aside .widget-archive > ul').addClass('fancy');});

Camburão da Alegria desfila pela primeira vez em Olinda

Foto: Camburão/Divulgação
Foto: Camburão/Divulgação

A alegria do Carnaval não quer se despedir de Olinda. Neste domingo (05.03), a partir das 11h, será a vez do “Camburão da Alegria” tomar conta, pela primeira vez, das ruas e avenidas da cidade. Comemorando 25 anos de história, o desfile mudou de endereço para oferecer mais infraestrutura e ainda mais empolgação aos foliões. A Prefeitura de Olinda montou um esquema conjunto, envolvendo diversas secretarias, para garantir a tranquilidade da festa do início ao fim.

Com o tema “Olinda Quero Cantar”, o bloco, comandado por policiais e bombeiros militares do Estado, vai homenagear o prefeito Professor Lupércio e o mestre dos bonecos gigantes, Silvio Botelho. A concentração será na Rua do Sol, próximo à Praça Doze de Março, no Bairro Novo. O percurso, de 2,5 quilômetros, seguirá pela Avenida Getúlio Vargas, contando com muito frevo e várias atrações da cultura popular.  De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito, 120 profissionais vão trabalhar orientando os pedestres e motoristas.

Serão nove bloqueios móveis e 30 bloqueios fixos para garantir a fluidez do corredor principal e de algumas vias locais. A recomendação é para que os condutores optem por rotas alternativas. Na segurança, 310 policiais militares foram escalados, além do acréscimo no efetivo da Guarda Municipal. Entre as atrações, orquestras de frevo e nomes como o DJ Jadson, Valter de Afogados, Paulo Pecado, Marquinhos Balada, João do Morro e Banda Luará.

A população também vai conferir a atuação da Secretaria de Serviços Públicos, com a instalação de 100 banheiros químicos, reforço na iluminação e a limpeza de todo o trajeto. “Será uma festa linda, muito animada, e que vem para fechar com chave de ouro o calendário da folia em Olinda”, destacou o presidente do Camburão da Alegria, coronel José Almeida.

Quarta-feira com Munguzá, Bacalhau e muita alegria estendem o Carnaval em Olinda

Foto: Thiago Bunzen
Foto: Thiago Bunzen

O clima já é de saudades em Olinda, nesta Quarta-feira de Cinzas, com foliões que não querem deixar a folia acabar. Logo cedo, a partir das 5h, a missão saborosa foi de forrar o estômago para cair no passo, com o tradicional “Munguzá de Zuza Miranda e Thaís”. Não faltou disposição. Em seguida, foi a vez do “Bacalhau do Batata” sacudir as ladeiras do Sítio Histórico, ao som do puro frevo. Uma multidão resistente se concentrou no Alto da Sé, fazendo jus a fama do Maior Carnaval do Mundo.

O engenheiro paulista, Nicola Cursino, 59 anos, não dispensou a fantasia para brincar a festa. Acompanhado da esposa Meiri, 57, ele se encantou com a presença de ingredientes como cebola, tomate, cenoura e próprio bacalhau fresco, todos afixados ao estandarte. “Uma festa linda, original, e que nos obriga a voltar todos os anos”, disse ela. Foi assim também com o grupo de turistas argentinos que se instalou na Cidade Alta para curtir o Reinado de Momo. “Ninguém quer ir embora”, disse a estudante Paola Brim, 27, que liderava o time. A professora Janaina Pascoal, 49, também improvisou na coreografia. “O importante é se divertir”, brincou.

De acordo com a presidente, Fátima Araújo, sobrinha de Batata, a cada edição o bloco se reinventa. “A alegria é enorme, mantendo sempre viva essa memória” disse. O garçom Isaías Pereira da Silva, que morreu em 1993, trabalhava durante o todo o Carnaval e resolveu montar a brincadeira para não deixar o período passar em branco. “Lembro-me de como era apaixonado por tudo isso, esperando ansioso o ano inteiro por este momento”, contou. Para os foliões de Olinda ainda é preciso fôlego para curtir a programação que se estende em diversos locais. Logo mais, a partir das 21h, o ponto alto fica por conta do show comandado por Alceu Valença, no polo Bajado, em Rio Doce.

Polo Erasto Vasconcelos é sucesso de público com shows da cena local em Olinda

Palco montado ao lado da Praça do Carmo recebeu nomes como Eddie, Ave Sangria e Academia da Berlinda e plateia lotou nos quatro dias de festa 

Show de Academia da Berlinda abriu a terça (28). Foto: Daniel Ferreira/ Prefeitura de Olinda
Show de Academia da Berlinda abriu a terça (28). Foto: Daniel Ferreira/ Prefeitura de Olinda

Este ano o Carnaval de Olinda destinou um polo especialmente para a cena musical local. O Polo Erasto Vasconcelos, localizado no Sítio de Seu Reis, ao lado da Praça do Carmo, no Sítio Histórico da cidade. Com programações diárias desde o sábado (25) até esta terça-feira (28), começando sempre no final da tarde, o palco recebeu nomes como banda Eddie, Ave Sangria e Karina Buhr e Isaar.  Ao todo 23 atrações, todas de Pernambuco e, na grande maioria, de Olinda.

Nesta terça-feira (28.02), último dia do polo, quem abriu a programação foi a banda olindense Academia da Berlinda, que subiu ao palco às 16h, seguida das atrações de N’Zambi, Ganga Barreto, Zé Cafofinho, Marcio Oliveira e Banda Víruz.  Diante de uma plateia lotada, a banda se orgulha de tocar no polo. “É como tocar no quintal de casa”, diz o baixista Yuri Rabid. Para o vocalista Tiné, ter um espaço como esse no Carnaval faz toda a diferença. “É massa porque o nosso público é bem maior quando a gente toca aqui”, conta.

O coordenador do polo, Alexandre Miranda, garante que o espaço fez sucesso em todos os dias da folia. “Com certeza tivemos diariamente um público de cerca de dez mil pessoas neste espaço e as pessoas se espalham pelas ruas laterais e pela Praça do Carmo”, contabiliza. O palco contou com uma equipe de produção de pelo menos 25 pessoas, de técnicos a seguranças.

No público, as paulistas, Beatriz Correia e Ingra Domingues, disseram por que quando chegaram em Olinda decidiram brincar nesse espaço. “Encontramos aqui um pessoal diferente de tudo o que a gente viu nas ladeiras, são muito receptivos, tem uma vibe muito aberta, adoramos”, disseram as duas que já tinham conhecido a banda Academia da Berlinda em outro Carnaval e vieram curtir o show.

Bonecos Gigantes passeiam pelas ladeiras de Olinda

O desfile de 90 bonecos, 50 grandes e 40 mirins, levaram alegria para os pequenos e grandes foliões nas ladeiras históricas de Olinda na manhã desta terça-feira (28.02). O Encontro dos Bonecos Gigantes já é tradicional na folia de Momo e nesta 30ª edição foi voltada especialmente para as crianças. O Palhaço Chocolate, homenageado, ganhou duas versões de bonecos: um adulto e outro infantil.

“A nossa responsabilidade é muito grande, os jovens precisam aprender sobre arte, principalmente vivenciando ela, por isso estamos aqui, levando esse bloco para a rua, perpetuando a cultura da cidade”, disse Silvio Botelho, que é o criador do bloco e divide a confecção e manutenção dos personagens principais da festa com sua equipe. E todo esse trabalho tem surtido efeito. Kauã Fábio tem 12 anos já é um veterano do encontro, desde os sete carrega uma figura ilustre do evento. “Eu estou muito feliz de participar, espero o ano todo por esse momento”, conta o jovem. O olindense Klemer da Silva participa desde a primeira edição e esse ano foi escolhido para levar o boneco do Palhaço Chocolate. “É muita emoção, sinto o pessoal, sinto o calor, sinto a música é inexplicável”, disse o profissional.

O Encontro começou no Largo do Guadalupe onde o homenageado alegrou a garotada no Polo Lula Gonzaga, depois seguiu pelo Amparo, Rua do São Bento, teve sua apoteose na frente da Prefeitura e dispersou no Largo do Varadouro. Arrastou milhares de pessoas com sua orquestra e passistas, e, além disso, não teve nenhuma ocorrência negativa. O recifense Humberto Moreira e o seu filho Mathias de cinco anos, participaram do início ao fim e constataram a tranquilidade da folia. “Está seguro, tranquilo e muito animado, meu pequeno está curtindo e eu também”, relatou.

 

Encontro de maracatus celebra tradições em Olinda

Foto: Thiago Bunzem/Prefeitura de Olinda
Foto: Thiago Bunzem/Prefeitura de Olinda

Olinda fez reverência à tradição e à cultura, nesta segunda-feira (27), recebendo o 27º Encontro Estadual de Maracatus de Baque Solto, sediado no bairro da Cidade Tabajara. A manifestação, uma das mais expressivas de Pernambuco, exalta o cotidiano do homem do campo, trazendo cores, batucada e muita alegria. O prefeito Professor Lupércio saudou os mais de 20 grupos que vieram à cidade, ao lado do secretário de Cultura e Patrimônio, Gilberto Sobral. A programação faz parte da 13º edição do Carnaval Mesclado, na Casa da Rabeca, que segue até a terça-feira (28), atraindo os olhares de moradores e visitantes.

A magia do maracatu já ultrapassa gerações na família do agricultor Severino Deodato, de 64 anos, morador do município de Lagoa do Carro, a 80 km de Olinda. Ele conta que o costume começou ainda com o avô, passou pelo pai e hoje ele já transmite para os filhos e netos. “É uma alegria que não tem explicação, motivo de muito orgulho”, revelou. A história se repete na casa de dona Sebastiana de Lourdes, 53, que veio de Glória do Goitá. “Quem está de fora não consegue entender essa emoção”, afirmou.

No brado da voz ou no ecoar dos apitos, os mestres levantaram a poeira e empolgaram o público. A turista carioca Lilian Mendes, 28, veio curtir, junto com os amigos, o Carnaval em Olinda e aproveitou para conferir o espetáculo. “Estou achando tudo mágico, merece muito o nosso aplauso”, opinou. De acordo com o organizador do evento, Pedro Salustiano, a reunião representa a difusão da identidade do Estado. “É de uma riqueza sem tamanho”, avaliou. Além dos maracatus, grupos caboclinhos também colocaram todo mundo para dançar.

Em Olinda, comerciantes e catadores tem onde deixar os filhos enquanto trabalham no Carnaval

O Espaço de Proteção à Criança e ao Adolescente tem recebido cerca de 120 crianças por dia

Fotos: Arquimedes Santos/ Prefeitura de Olinda
Fotos: Arquimedes Santos/ Prefeitura de Olinda

Enquanto os pais trabalham catando materiais recicláveis, vendendo bebidas ou lanches, os filhos tem um espaço especial para brincar e descansar durante o Carnaval em Olinda. Localizado na Praça do Carmo, o “Espaço de Proteção à Criança e ao Adolescente”, realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos, acolhe crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social durante todos os dias de folia, das 10h às 22h, desde o sábado (25) até a terça-feira (28).

Além de almoço, lanche e jantar, o local oferece para os pequenos atividades como oficina de dança e de percussão, brinquedos, pintura, sala de vídeo e descanso. Tem também atrações infantis que passam por lá, como Patati e Patatá, Palhaço Chocolate e Banda dos Super Heróis para fazer a festa dos pequenos. De acordo com a organização, nestes primeiros dias de carnaval o serviço tem recebido cerca de 120 crianças por dia. Os que tem idade entre 4 e 15 anos ficam na estrutura montada no Carmo, já os de colo são levados para a Casa de Passagem, que fica em Bairro Novo, para receber atenção especial.

Enquanto dezenas de crianças dançam e brincam em volta e no palco montado para as oficinas de música, o secretário de Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos, Wolney Queiroz, conta que os pequenos aprovam o serviço. “Nossos educadores sociais vão às ruas fazer um trabalho de sensibilização com as famílias e orientar para que os filhos sejam deixados no espaço destinado pela prefeitura. As crianças gostam muito, tem alguns que vem pra cá e não querem mais nem sair”, conta.

A pequena Stefany, de 11 anos, foi pela primeira vez ao polo, junto com o irmão mais novo, enquanto o pai “negocia nas ladeiras”, como ela mesma diz, e conta o que mais gostou de fazer junto com os educadores. “O mais legal que eu fiz aqui foi tocar um instrumento”, contou. A comerciante Eduarda Fernandes, que trabalha no Carnaval de Olinda há três anos e não tinha onde deixar a filha Emily de dois agradeceu pela iniciativa. “Eu deixava ela com a avó, mas este ano a avó está doente, então eu soube desse espaço pela minha cunhada e vim deixar ela aqui para poder trabalhar e achei muito bom”, explica.

Cerca de 40 educadores, divididos em turnos, realizam o serviço de sensibilização pelas ruas e ao todo 130 pessoas trabalham no espaço.

Central de Achados e Perdidos de Olinda já recolheu cerca de 900 documentos no Carnaval

Cartões de crédito, passaporte, carteira de trabalho e documentos de veículos são alguns dos itens encontrados. Foto: divulgação Prefeitura de Olinda
Cartões de crédito, passaporte, carteira de trabalho e documentos de veículos são alguns dos itens encontrados. Foto: divulgação Prefeitura de Olinda

Quem perdeu algum objeto ou documento na folia de Olinda pode procurar o serviço de Achados e Perdidos disponibilizado, 24h por dia, na sede da secretaria de Segurança Urbana do município, na Avenida Santos Dumont, 177, bairro do Varadouro. Entre a sexta-feira (23) até esse domingo (26), cerca de 900 itens foram recolhidos e encaminhados ao local para serem devolvidos aos seus respectivos donos. No local também é oferecido o serviço de preenchimento de Boletim de Ocorrência (B.O) para o caso de perda dos documentos.

O carioca Guilherme Motta, que está curtindo a folia do Carnaval de Olinda, perdeu a carteira nesse domingo e foi nesta segunda-feira em busca dos seus documentos. “eu ainda não encontrei meus documentos, mas vou registrar o B.O para poder voltar para casa sem problemas no aeroporto por exemplo”, contou ele que foi encaminhado ao serviço a partir do momento que percebeu que estava sem a carteira.

De acordo com os responsáveis pela manutenção do serviço de Achados e Perdidos, além de documentos como Habilitação, RG e até passaporte, as chaves comuns e de veículos são os itens que mais chegam à central. A lista de documentos encontrados também pode ser acessada pelo site carnaval.olinda.pe.gov.br/documentos-perdidos.