jQuery(document).ready(function($){$('#aside .widget-archive > ul').addClass('fancy');});

Terça-Feira Gorda teve programação recheada de blocos tradicionais

O fundador do bloco, o Cabela, é um dos homenageados do Carnaval 2014.
O fundador do bloco, o Cabela, é um dos homenageados do Carnaval 2014.

Nesta Terça-Feira Gorda (04), quem foi para Olinda acabou agraciado com uma viagem na história do Carnaval da cidade. Blocos tradicionais como Ceroula, A Porta e Pitombeira dos Quatro Cantos desfilaram pelas ruas do Sítio Histórico, realizando um ritual que acontece anualmente e, no caso de algumas agremiações, há mais de meio século.

A Rua do Amparo, um dos principais corredores da folia em Olinda, recebeu o desfile do Ceroula, do Cheguei Agora e d’ A Porta. Os dois primeiros blocos se encontraram ao entardecer e, com a autoridade de quinquagenários que são, arrastaram uma multidão apaixonada.

O Ceroula, que completa 52 anos de tradição, teve o seu fundador, o Cabela, como um dos homenageados do Carnaval 2014. Já o Cheguei Agora, ao contrário do que sugere o nome, chegou à folia de momo há 54 anos, em 1960, mas se mantém renovado pela grande quantidade de jovens que desfilam pela agremiação. As cores, plumas e brilhos das fantasias do bloco fazem lembrar, inclusive, as escolas de samba dos carnavais do Rio de Janeiro e São Paulo.

Ainda na Rua do Amparo, mas já à noite, homens carregavam uma porta de madeira, ansiosos por ver a beleza e a desenvoltura de mulheres dançando em cima da plataforma. Cumprindo a tradição do bloco A Porta, que é de 1988, o grupo cantava “É, é, é, a porta quer mulher”.

Pela Rua XV de Novembro, quem passou acenando foi um tal “Barão de Caetés“. Mais novo, o personagem foi criado na década de 90, mas não menos respeitado, o Barão atraiu a curiosidade dos foliões.

Por volta das 18h, em frente à sede da Prefeitura, aconteceu o tradicional encontro do Elefante de Olinda com a Pitombeira dos Quatro Cantos. Fundados na mesma época, o Elefante é de 1952 e a Pitombeira, de 1947, as duas agremiações são também lembradas por uma suposta desavença que mantiveram durante anos.

Segundo contam os carnavalescos mais antigos, no passado, quando Pitombeira e Elefante se encontravam nas ruas durante o Carnaval, era briga na certa. Hoje, os blocos se divertem juntos.

Hoje tem aniversário da Pitombeira & ensaio da Marim dos Caetés nas ladeiras de Olinda

Ensaio e aniversário de blocos animam as ladeiras nesta quinta-feira. Fotos: Passarinho/Pref.Olinda e Renato Spencer/Santo Lima/Fundarpe
Ensaio e aniversário de blocos animam as ladeiras nesta quinta-feira. Fotos: Passarinho/Pref.Olinda e Renato Spencer/Santo Lima/Fundarpe

Nesta semana, as prévias carnavalescas foram antecipadas e já tem festa hoje, quinta-feira (30), nas ladeiras de Olinda. A Troça Pitombeira dos Quatro Cantos comemora 67 anos e o Clube Carnavalesco Marim dos Caetés faz ensaio festivo.

Na sede da Pitombeira, que fica na Rua 27 de Janeiro, a comemoração começa às 19h. Haverá bolo e bate-bate com doce, bebida feita de maracujá, cachaça e açúcar, usada para batizar os novatos na brincadeira e que está presente no hino da troça. Depois de cantar os parabéns, o bloco desfila pelas ladeiras com sua orquestra e estandarte.

Já o ensaio do Clube Carnavalesco Marim dos Caetés acontece às 20h, saindo do Largo do Guadalupe até os Quatro Cantos. O desfile é acompanhado por orquestra, passistas e estandarte.

No Carnaval, as agremiações saem nos mesmos dias. Na segunda (03/03) e terça-feira (04/03), quando ocorre o encontro entre a Pitombeira e o Elefante de Olinda. Nesse dia, o Marim dos Caetés desfila no bairro de Rio Doce, às 16h e às 19h, saem do Largo do Guadalupe.

História – A Troça Carnavalesca Mista Pitombeira dos Quatro Cantos foi fundada no dia 17 de fevereiro de 1947, por um grupo de rapazes olindenses que saíram nus da cintura pra cima, segurando galhos de pitombeira, pelas ruas do Sítio Histórico.

Segunda conta a tradição, o bloco deu origem a pelo menos mais duas agremiações: o Elefante de Olinda, com quem os integrantes da Pitombeira mantiveram desavenças por anos, e o Marim dos Caetés. O clube que traz o nome da capitania, que mais tarde passou a ser chamada de Olinda, foi fundado em 11 de janeiro de 1982.

Veja mais:

Ceroula prepara grande festa para comemorar seus 50 carnavais

Ceroula 50 anos / Foto: Divulgação
Ceroula 50 anos / Foto: Divulgação

Neste domingo (29), a Ceroula, tradicional troça do carnaval de Olinda, realiza uma grande festa para comemorar seu meio século de vida. Vai ter muito frevo, samba e pagode, a partir das 14h, para animar foliões que forem até o Pátio do Mosteiro de São Bento. Durante a Folia de Momo, a agremiação desfila no sábado e na terça-feira gorda.

Cinquenta anos é uma data muito especial. Por isso, desde outubro do ano passado, a diretoria da Ceroula vem organizando as comemorações do seu aniversário e, durante todo o mês de janeiro, prévias nas ladeiras de Olinda. “A expectativa para a festa deste domingo é a melhor possível e as homenagens que temos recebido pelos 50 anos da troça tem nos deixado muito contentes”, afirma o presidente da Ceroula, Marcos Sales.

Ele comenta que entre as novidades para o carnaval deste ano está a camisa alusiva ao cinquentenário e o novo estandarte que já será apresentado este final de semana. “Não queremos adiantar muita coisa para não estragar as surpresas que estamos preparando para os foliões”, diz Marco Sales.

A festa deste domingo tem como atrações o cantor Almir Rouche e os grupos Patusco e Bom Gosto. No final de semana seguinte, a Ceroula faz uma pausa e retorna no dia 12 de fevereiro para o desfile das Virgens do Bairro Novo que, este ano, homenageia a troça. Leia mais